Prefeitura de Santo André Lança Campanha Santo André pela Paz

O Fundo Social de Solidariedade, em parceria com a Secretaria de Educação, realizou nesta segunda-feira a Campanha Santo André pela Paz, no Teatro Municipal de Santo André. O evento contou com as presenças da primeira-dama Denise Ravin, presidente do Fundo Social de Solidariedade, da deputada federal Keiko Ota, do desembargador Carlos Eduardo Azevedo Pereira, dos escritores Paulo Caruso e Milton Célio, e apresentação do espetáculo infantil O Mundo Imaginário. 

Cerca de 200 crianças estiveram presentes no lançamento, que tem como principal objetivo  conscientizar sobre a importância de combater todo tipo de violência, a exclusão social e o uso de armas de brinquedo. Fizeram parte da campanha  51 Emeiefs e 35 creches, sete das quais conveniadas  à Prefeitura. O projeto deve envolver cerca de 30 mil alunos da rede municipal de ensino.

Evento contou com a presença de Denise Ravin, presidente do Fundo de Solidariedade e da Deputada federal Keiko Ota.

Este novo projeto agregará ainda mais valores às crianças, que são o futuro da nossa cidade. Cada escola poderá desenvolver o programa de acordo com seu planejamento e a realidade em que a comunidade está inserida. A Prefeitura pretendemos ainda envolver toda a cidade, onde os andreenses possam de alguma forma contribuir para promoção da paz, por meio de pequenas ações e “palavras”, afirma a primeira-dama. 

A campanha será realizada nas escolas durante o período de três meses, com encerramento previsto para o dia 28 de novembro, no Complexo Esportivo Pedro Dell Antonia, com exposição dos trabalhos  de maiores destaques realizados pelas escolas que receberão um selo, certificando a participação na campanha, que terá um caráter permanente de fomento à paz.

PROJETO E RECICLAGEM 


Enquanto o combate à violência ganha forma na produção dos trabalhos, todas as crianças serão incentivadas a trocar armas de brinquedo por um jogo ou outro objeto produzido com material reciclável. Quem não possuir, poderá dar em troca um cartão com uma boa intenção, como “não vou falar mais palavrão”, e também receber o brinquedo. 

Para fabricar os brinquedos, os profissionais da Sucatoteca – projeto da Prefeitura que trabalha a partir de sucata no Parque Escola – vão às escolas ensinar os professores e pais do Conselho na produção. A coordenação do projeto pretende envolver e sensibilizar a comunidade não só na confecção, mas também  na coleta do material que poderá ser reaproveitado. Os alunos do berçário receberão chocalhos, os da educação infantil, um bilboquê, e os do ensino fundamental, um jogo da velha.

Primeiro Seminário sobre Bulliyng de Santo André acontece hoje

Evento no Teatro Municipal tem palestra com a secretária de Educação Cleide Bochixio, promotora de Justiça Rosinei Saikali e psicóloga Neusa Lousano Peres

Nesta segunda-feira, dia 27 de junho, acontece o 1 º Seminário sobre Bullying de Santo André, promovido pela Secretaria de Educação, em parceria com o Legislativo andreense, por meio do vereador Israel Zekcer. O evento tem início às 19h30 no Teatro Municipal.

A secretária de Educação da cidade, Cleide Bauab Eid Bochixio, a promotora de Justiça de Santo André, Rosinei Horstmann Saikali e a psicóloga Neusa Louzano Peres são as palestrantes convidadas para discutir o tema que tem preocupado a sociedade, principalmente educadores e familiares de estudantes, pelas consequências que pode produzir ao desenvolvimento emocional do indivíduo

O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão e, embora não tenha significado em português, é usado para denomimar uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva contra um ou mais colegas.

Para os especialistas, além de um possível isolamento ou queda do rendimento escolar, crianças e adolescentes que passam por humilhações deste tipo correm o risco de apresentar doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie o desenvolvimento de sua personalidade na vida adulta.
SERVIÇO
1º Seminário sobre Bullying de Santo André
Data: segunda-feira, 27, às 19h30
Local: Teatro Municipal de Santo André (Praça IV Centenário, s/nº, Centro)
Gratuito

O TERCEIRO ASSASSINATO

Apesar do respeito que merece de mim o prefeito de Santo André, João Avamileno, chego à conclusão de que ele despirocou e está tecendo um novo capítulo do caso Celso Daniel, que poderia ser chamado de “O Terceiro Assassinato”.

Não é fácil admitir esse diagnóstico. Lutei para fugir dessa constatação. Pensei mil vezes, mas não tem jeito mesmo: ao se meter numa aventura por pressão de familiares e de alguns apoiadores sob encomenda, o prefeito de Santo André caiu numa armadilha fatal.

Que armadilha é essa, afinal?

A de que a biografia que construiu durante longos seis anos pós-morte do prefeito Celso Daniel, de quem era vice, está indo literalmente para o ralo. Ao deixar a condição de magistrado nas prévias do PT que escolherão o candidato do partido para as eleições do ano que vem e jogar-se de corpo e alma nas águas revoltas da candidatura do deputado estadual Vanderlei Siraque, João Avamileno deveria ter avaliado que a travessia não tem volta. Se ganhar o bicho pega, se correr o bicho come.

A Imprensa mais doutrinada às conveniências jamais se preocupará em exumar as repercussões do gesto de João Avamileno que, depois de anunciar apoio público a Vanderlei Siraque, dispensou o secretário de Governo Mário Maurici, marido da candidata Ivete Garcia e homem forte de Brasília em Santo André.

Preferirá esse tipo de mídia apenas relatar informações. Esse é um modelo típico de não-comprometimento e de preservação de relacionamentos à custa da sonegação de esclarecimentos. Filtram-se declarações para amenizar a crise partidária, o desarranjo da gestão da Prefeitura e o desassossego do restante do mandato de João Avamileno.

Não vamos detalhar baixarias das disputas petistas, porque fazem parte do cardápio da democracia alguns excessos. Entretanto, quando o prefeito está diretamente ligado às ações dissuasivas de votos em favor de Ivete Garcia, o que se tem é o estrebuchamento da hierarquia. O varejismo reduz a política à zona de meretrício.

João Avamileno perdeu o controle do secretariado, integralmente favorável à vice-prefeita. Depois das prévias terá trabalho redobrado para reparar o desastre do qual é o principal responsável. Ganhando ou perdendo seu candidato, dificilmente as louças se recomporão depois de quebradas, porque louças recompostas deixam sempre marcas de que já não são as mesmas de antes. Atirar algumas ao lixo da conveniência administrativa e de novos arranjos gerenciais parecerá a melhor solução, mas só agravará o ambiente de hostilidades.

O que mais pesa sobre a decisão de João Avamileno ao pronunciar apoio a Vanderlei Siraque é a quebra da confiança dos petistas com os quais convive no Paço Municipal. Em março deste ano, numa reunião de secretariado, com provas testemunhais, ele anunciou decisão de apoiar a vice-prefeita. Siraque era carta fora do baralho por conta de algumas operações corporais que abalaram segmentos petistas.

O que teria levado João Avamileno a mudar de opinião? Há piratas que não pretendem que as digitais programáticas do Partido dos Trabalhadores impressas pelo grupo de Celso Daniel sejam perpetuadas. Pretende-se promover um governo populista de esquerda, que navegará conforme as ondas de interesses de ocasião, com amplas possibilidades de acirrar ânimos ideológicos e partidários que estão na raiz da crise institucional do Grande ABC.

Até a queima de reputações que resistiram ao bombardeio adversário por conta da morte de Celso Daniel, e também do mensalão, integra a ladainha de bastidores para reverter votos consumados em favor de Ivete Garcia. Só não colocam Ronan Maria Pinto no alvo do requentamento de casos que a dupla Brandão-Pisaneschi utilizou à exaustão nas eleições de 2004 porque o empresário de ônibus está à frente do Diário do Grande ABC. Já Luizinho Carlos da Silva e Klinger Sousa não contam com compaixão alguma.

A derrota de Vanderlei Siraque quando os votos do primeiro turno das prévias foram apurados foi um golpe que o deputado estadual não assimilou, mas atingiu mais profundamente o prefeito João Avamileno. Venderam-lhe a certeza de que a disputa já estava liquidada. Daí a volúpia com que jogou fora o figurino de comedimento e tolerância para romper com o assessor imediato que tanto o protegeu dos percalços de um poder que lhe caiu no colo por conta de um infortúnio e que, mais tarde, arrebatou numa disputa dificílima.

Lamentavelmente, João Avamileno jogou às traças o histórico pessoal de conciliação, de negociação, de aproximação dos contrários. Acenaram-lhe futuro político de legislador estadual, de possível retorno ao Paço na sequência, e lá se formatou o plasma da contraface de João Avamileno boa-praça, um João Avamileno intolerante, exclusivista, rancoroso porque, sendo a regra do jogo democrático a liberdade de escolha, não perdoa quem o contrarie na decisão de optar por Ivete.

E, sempre com a assessoria arrogante de quem não admite o contraditório, observa parcialidade em quem tem a coragem e a independência para escrever que ele errou no começo, errou no meio e terá errado completamente e sempre nesse caso, seja qual for o resultado de domingo.

João Avamileno tinha tudo para ficar na história política de Santo André como o homem que conseguiu superar o maior trauma social de uma administração pública, ou seja, a perda de um estadista do tamanho de Celso Daniel. Infelizmente, quando essa biografia parecia cimentada, eis que apareceram umas prévias em sua trajetória e, tristemente, a nocauteá-lo como chefe de Governo e a derrubá-lo como liderança petista.

A paralisia e o divisionismo da administração pública de Santo André são uma obra acabadíssima da enrascada em que João Avamileno se meteu ao não respeitar os próprios limites.

O legado de Celso Daniel sustentado principalmente pela força coletiva do secretariado em risco significa, sem rodeios, espécie de terceiro assassinato do executivo público mais brilhante que o Grande ABC produziu ao longo da história — o segundo assassinato, como se sabe, foram as investigações dos promotores criminais que contaram com o tom de veracidade acrítica dos irmãos João Francisco e Bruno, que pegaram carona no prestígio e na canonização do prefeito assassinado.

Que se passa, afinal, com a transfiguração de João Avamileno? Por que aqueles que o rodeiam têm tanto poder de persuasão? De que João Avamileno tem medo, afinal? E se não tem medo de nada, por que tem utilizado de artimanhas protelatórias para tentar manter no cabresto alguém que ele imagina capaz de atrapalhar os planos de seu grupo?

 

FONTE: CAPITAL SOCIAL

Banco de Sangue repõe estoques em ação de sensibilização para doação de sangue

Ação voluntária teve a participação de funcionários da Prefeitura, moradores e usuários do serviço

Em comemoração ao Dia Mundial da Saúde, a Secretaria de Saúde de Santo André promoveu mais uma ação de sensibilização para a doação de sangue. A atividade voluntária reuniu moradores, usuários do serviço e funcionários da municipalidade desde às 10 horas, no Banco de Sangue do Centro Hospitalar Municipal (CHM), e contou com a presença do secretário de Saúde, Nilson Bonome, do secretário de Orçamento e Planejamento, Arnaldo Augusto Pereira, e do secretário de Comunicação, Alexssander Soares.

Pioneira e referência em ações desse tipo, Santo André larga na frente com a Campanha de Sensibilização para Doação de Sangue. Criada em setembro do ano passado pela Secretaria de Saúde, a ação já salvou dezenas de vidas com mais de 600 doadores contabilizados. Para se ter uma ideia, cada doador pode salvar, em média, quatro vidas. Com o comprometimento da população, o Banco de Sangue Municipal, operacionalizado pela Colsan, atua com capacidade satisfatória, principalmente em urgências e emergência atendidas pelo Pronto Socorro do CHM.

Desde setembro do ano passado, a ação já salvou dezenas de vidas, com mais de 600 doadores contabilizados

SER DOADOR
Para doar sangue, basta levar documento oficial de identidade com foto, que pode ser RG, carteira de habilitação ou carteira profissional, ter entre 18 e 65 anos de idade, pesar acima de 50 kg e estar em boas condições de saúde. Recomenda-se ainda que o doador esteja bem alimentado, sem a ingestão de refeição pesada ou rica em gorduras.

Homens podem doar sangue a cada dois meses, no limite de quatro vezes ao ano. Mulheres igualmente a cada dois meses, porém, no limite de três doações por ano. O Banco de Sangue fica no CHM, na Avenida João Ramalho, 326, Vila Assunção, e funciona das 7 às 15 horas, de segunda-feira a sábado.

Jardim Santo André vê sonho se Tornar Realidade

Projeto habitacional, que contará com R$ 400 milhões de investimento, já tem máquinas trabalhando

Máquinas fazem terraplanagem para a construção de campo de futebol

 

A parceria entre Santo André e Estado, oficializada em maio para a solução dos problemas habitacionais, urbanos e ambientais do bairro Jardim Santo André, já conta com máquinas trabalhando na Rua dos Dominicanos. As obras de terraplanagem para a construção das primeiras 194 unidades habitacionais é comemorada pelos moradores locais. O cronograma de obras, que está adiantado, tinha a primeira intervenção prevista para setembro.

Os técnicos da Prefeitura andreense e da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) de São Paulo tomaram a decisão de não prejudicar o lazer da comunidade. “Primeiro será feito um novo campo de futebol para atender a demanda da população, ao lado do atual, para podermos erguer as primeiras moradias do projeto”, explicou Frederico Muraro Filho, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação de Santo André.

Para os moradores a prática do esporte e o lazer são muito importantes no local, garantindo o desenvolvimento da maior paixão do povo brasileiro e inclusão social. “Neste campo jogam e praticam futebol cerca de 15 clubes amadores do bairro, além de funcionar o projeto comunitário com a criançada. Esse é o nosso grande lazer. Foi muito bom que as autoridades tenham pensado nisso”, diz Jaime Silvestre, agente comunitário e morador do bairro.

Ao fundo do gol, o bairro assiste obras de novo campo e já sonham com as novas moradias

Ao todo serão construídas 3.900 moradias para moradores do bairro, urbanização de 2.300 lotes e regularização fundiária para cerca de 2.600 famílias. O projeto contará com investimento de R$ 400 milhões. A parceria atenderá 9.000 famílias e as obras beneficiarão cerca de 40 mil pessoas que residem no bairro.

Entre as intervenções, o projeto ainda contempla total instalação de saneamento básico, paisagismo e arborização, iluminação de ruas, equipamentos de lazer e outro campo de futebol com medidas oficiais, além de implantação e recuperação de 51 mil m2 de sistema viário e preservação de 447 mil m2 de área verde.

A Prefeitura ainda instalará uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), creche e a reforma da Emeief Cora Coralina, localizada no Cesa Jardim Santo André. A UPA poderá atender cerca 450 pacientes por dia. As obras começam no segundo semestre deste ano e serão entregues no primeiro trimestre de 2012.

ABSURDO: VERBA FEDERAL ENVIADA A SÃO BERNARDO É MAIOR QUE TODAS DO ABCDM JUNTAS

 

DISCREPÂNCIA EM VERBA ENVIADA A SÃO BERNARDO

 

Hoje em materia do Jornal Diario do Grande ABC podemos nos deparar com esse absurdo apresentado. O Governo Federal repassou R$ 56.115.642,72 para São Bernardo do Campo (atual residencia do Ex Presidente Lula).

Enquanto isso se somado todo o repasse das outras 6 cidades restantes, isso é, Diadema, Ribeirão Pires, Santo André, São Caetano, Rio Grande e Mauá não é alcançada nem a metade desse valor.

Isso é o que podemos esperar da nova Presidente? Isso que é uma divisão igualitaria do tesouro? Tenho a impressão que São Bernardo vai crescer muito nos proximos anos.

APENAS REFLITAM E VEJAM SE ISSO É JUSTIÇA. ESPERO QUE VOCE QUE ESTA CONSTATANDO  ESSA MATÉRIA SEJA DE SÃO BERNARDO, AFINAL PELO QUE VEMOS NO JORNAL É A UNICA CIDADE QUE A FEDERAÇÃO TEM INTERESSE EM VER CRESCER.

Santo André realiza Campanha Nacional de Vacinação contra poliomielite neste Sábado

Crianças também serão imunizadas contra sarampo, caxumba e rubéola

No próximo sábado, dia 18, Santo André se mobiliza para a imunização de crianças contra a poliomielite e a vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola). A ação acontece das 8 às 17 horas, em todos os equipamentos de saúde do município e demais locais estratégicos. São 59 postos de vacinação preparados para aplicar as vacinas de forma atrelada (a tríplice será aplicada em todas as crianças que tenham entre 1 ano a 6 anos; a pólio em todas crianças de 0 a 4 anos).

As metas de cobertura vacinal são de 95% tanto para a tríplice quanto para a pólio. No País, no ano de 2010, a média de cobertura vacinal atingida foi de 92,42%. Santo André espera vacinar 42.136 crianças com menos de 5 anos. Para a população com idade entre 1 e 6 anos, de acordo com números enviados pelo Grupo de Vigilância Estadual (GVE), a cidade planeja imunizar 49.275 crianças.

A escolha da campanha para a o mês de junho se justifica pela proximidade das férias escolares, período que as famílias costumam viajar, com destaque para a Europa, onde o sarampo já se espalhou para 33 países, mais especificamente para a França que está com 9 mil casos desde os primeiros meses do ano. No Brasil, até o momento, foram identificados nove casos.

A Doença

Apresentar febre acompanhada de tosse ou coriza e conjuntivite; todo caso suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior deve ser imunizado.